Diversas tarefas por fazer, prazos a cumprir, decisões difíceis a tomar e muitas contas a pagar. A vida da maioria das pessoas é composta situações comuns como essas e, ao mesmo tempo, estressantes e que exigem muito do corpo, mas, principalmente, da mente. Porém, ao contrário do desgaste físico, que é um cansaço passageiro e que some após uma bela noite de sono, o que mais deveria preocupar é a exaustão mental, esgotamento difícil de ser notado e muitas vezes relevado, mas, que chega ao ponto de prejudicar a realização de qualquer atividade rotineira.

“A fadiga mental que as pessoas sentem ao final do dia tende a crescer ao longo do tempo e pode acabar como um problema sério de saúde, como a estafa e até a depressão. Muitos acham que esgotamento mental acontece somente quando algo dá errado, mas, isso não é uma realidade. O grande problema é o acumulo de coisas acontecendo sem que a pessoa tenha tempo para parar um pouco e descansar a mente. Há casos que ela chega a se sentir cansada a ponto de não ter energia para voltar para casa; ou mesmo de ficar tão irritada e angustiada que abandona seus compromissos e atividades, deixando tudo por fazer. Dentro desse quadro, certamente ela está passando por um momento de esgotamento mental”, explica o especialista em Programação Neurolinguística e diretor do Instituto Ideah, William Ferraz.

Há alguns fatores que podem desencadear esse cansaço, entre eles, a forma como a pessoa lida com as questões, frustrações e os problemas enfrentados diariamente, além do excesso de responsabilidades, as pressões psicológicas e o desiquilíbrio emocional. O importante, porém, é que esse tipo de fadiga pode ser trabalhado e corrigido por meio de ferramentas da Programação Neurolinguística (PNL). “Ao trabalhar a inteligência emocional, por meio da PNL, é possível reprogramar a mente. Com isso, o indivíduo passa a conseguir controlar esse estresse mental e também aprende a lidar e solucionar, da melhor forma, as questões que enfrenta na vida. A primeira e mais importante atitude a ser tomada é a busca do autoconhecimento. Ao aprender a lidar melhor com o que sente será possível blindar a mente de pensamentos negativos e elementos externos”, explica ele, completando: “qualquer problema enfrentado na vida é uma oportunidade para uma transformação profunda. A importância de desenvolver a inteligência emocional está no fortalecimento do indivíduo por meio do desenvolvimento de habilidades que transformam não só a forma de lidar com as emoções, mas também com as pessoas ao redor. Quando a pessoa está pronta mentalmente, ela tem confiança em si mesma e autoestima elevada, tendo uma vida mais saudável do ponto de vista emocional”.

Além desse desenvolvimento interno, há formas de diminuir o cansaço mental ou, pelo menos, evitar que ele chegue a um ponto crítico. Uma delas é se preocupar com a organização da vida e de todos os ambientes, como a casa e o local de trabalho. Saber o que precisa ser feito, sem perder tempo com questões menores, traz mais tranquilidade ao dia a dia. Também é necessário encontrar atividades que relaxem a mente. Os exercícios físicos estão entre as opções mais indicadas, já que promovem o bem-estar mental, além de promover melhores noites de sono. É importante ainda separar um tempo exclusivo para fazer coisas que gosta, seja ler um livro, assistir televisão, meditar ou respirar ar puro. Aproveitar os bons momentos ao lado de amigos e a família é outro conselho que evita o desgaste mental. “Estar ao lado de quem amamos ajuda a recarregar as energias. Separar um tempo para esse convívio e aproveitá-lo da melhor maneira trará grandes benefícios para a vida e a mente”, conclui.

Pin It on Pinterest

Share This