Se você fuma ou conhece alguém que seja fumante, tem uma ideia muito clara de quão difícil é largar o cigarro. Adesivos de nicotina, chicletes e até spray nasal são algumas das alternativas buscadas, porém, a luta vai muito além, já que requer mudança drástica na rotina e, principalmente, muita força de vontade. No Dia Mundial sem Tabaco, a boa notícia é que um dos grandes aliados para vencer essa batalha é Programação Neurolinguística (PNL).

De acordo com William Ferraz, diretor do Instituto Ideah, as técnicas da PNL ajudam a identificar crenças e hábitos ligados ao hábito de cigarro. “Há sempre algo que está por trás de um determinado comportamento, como é o de fumar. Por meio da PNL é possível descobrir o que leva essa pessoa a fumar, já que, sem dúvida, existe um quadro de dependência emocional por trás do tabagismo. Ao quebrar esse elo entre o cigarro e os gatilhos que a levam a colocar o cigarro na boca, aos poucos, o fumante vai perdendo o interesse”, diz.

É possível também descobrir o motivo pelo qual o indivíduo começou a fumar, além de analisar os sentimentos e emoções, causados pelo cigarro e o que o mesmo representa em sua vida. “A partir daí, auxiliamos os fumantes a alterar alguns padrões de comportamento e também a adquirir novas formas de lidar com os problemas da vida, que não seja a fuga para o cigarro. Também é possível ressignificar o passado e traçar novas metas e objetivos para conseguir viver uma vida mais saudável”, lembra William.

A eficácia da PNL na luta contra o cigarro, aliás, é comprovada. Há uma série de pessoas que conseguiram largar o vício através desse auxilio. Esse é o caso da psicopedagoga e coordenadora de Escola de Educação Infantil, Vanessa Santos, que fumava há 29 anos e participou de um dos treinamentos do Ideah. “Fumava em eventos, aos finais de semana, até que participei de um treinamento, onde foi trabalhado as nossas emoções. Fortaleci minha coragem, meu amor, minha alegria e pude reconsiderar algumas atitudes da minha vida e uma delas foi o cigarro. Percebi com a PNL que, quando decidimos algo que nos faz bem, a atitude é certa e esta ação nos traz muita felicidade e empoderamento. Todos são capazes de decidir o que nos faz bem e realizar o que desejamos. Parei de fumar e sou grata e feliz por ter me permitido participar desta experiência”, revela.

Vale lembrar que o número de mortes provocadas pelo consumo de cigarro aumentou de quatro milhões, no início do século, para mais de sete milhões, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Metade das pessoas que consomem tabaco morre de doenças associadas ao fumo, principal causa evitável de doenças não transmissíveis. Ainda de acordo com a OMS, o tabaco poderia provocar no século 21 o total de um bilhão de mortes em todo o planeta.

Escrito pela equipe da Hayai Assessoria de Imprensa e Comunicação

Pin It on Pinterest

Share This